barriga de gestante segurando um enfeite de coração para representar a importância da suplementação na gravidez

Suplementação na gravidez: por que é importante

A descoberta de uma gravidez traz, além da emoção de esperar um filho, uma atenção especial aos cuidados para a saúde da mãe e para a formação do bebê.

Um desses cuidados é quanto à alimentação e suplementação da mãe, que tem o importante papel de nutrir e fornecer matéria-prima para toda a formação e transformação do bebê. Por isso, essa demanda por nutrientes precisa ser acompanhada de perto.

Estudos mostram que muitas mulheres grávidas apresentam carência de importantes vitaminas e minerais. Logo, entender a importância desses elementos e da suplementação no período gestacional é fundamental. Afinal, 40 semanas podem refletir na saúde de uma vida inteira.

O que é suplementação?

Para explicar o que é suplementação, seja na gravidez ou em qualquer outro momento da vida, é pertinente apresentar o conceito aplicado na alimentação. É importante contextualizar que o nosso corpo precisa de nutrientes para funcionar, e que boa parte deles são adquiridos pela ingestão dos alimentos.

Acontece que ter uma alimentação balanceada, capaz de fornecer ao organismo todos os macro e micronutrientes que necessita, é uma tarefa que precisa de atenção. A rotina intensa, os alimentos industrializados, as restrições alimentares (de pessoas alérgicas, intolerantes e veganas), a falta de tempo e outros fatores impactam diretamente nas escolhas das refeições. 

É nesse contexto que a suplementação pode ser inserida na dieta, uma vez que funciona como um complemento da alimentação para que o corpo tenha acesso às substâncias que fazem com que ele funcione melhor.

Qual a importância da suplementação na gravidez?

O cuidado com a alimentação é talvez um dos primeiros e principais pontos de atenção das futuras mamães quando descobrem a gravidez. No entanto, mesmo com uma alimentação equilibrada não é possível garantir que o organismo irá absorver todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento saudável do feto.

A qualidade dos alimentos, a biodisponibilidade dos nutrientes e a microbiota intestinal, por exemplo, podem interferir na absorção de vitaminas e minerais. Por isso, a importância do acompanhamento médico para garantir que a gestante e o feto tenham a nutrição adequada, assim como para indicar a suplementação na gravidez quando necessário.

Afinal,  a formação dos ossos, tecidos e órgãos do bebê acontece de forma muito rápida, e é fundamental que a mãe faça a ingestão dos nutrientes necessários para que esse desenvolvimento ocorra de maneira saudável. 

Quais suplementos a gestante deve tomar?

Cada vez mais a ciência destaca a importância e o papel dos nutrientes durante a gestação. Por isso, a suplementação na gravidez se faz importante e, geralmente, é essencial para o nascimento de um bebê saudável.

Confira o que alguns nutrientes podem fazer pelo desenvolvimento do seu bebê.

Ômega-3

Importante para a formação da membrana externa das células cerebrais, que permite uma troca rápida e mais eficaz de ‘mensagens’ entre as células nervosas. Estudos apontam que a ingestão de ômega-3 na gravidez pode repercutir positivamente durante muitos anos na vida do seu filho, especialmente por um dos seus componentes, o DHA.

DHA

O DHA, um dos ácidos graxos presentes no ômega-3, é um componente da membrana celular do cérebro e de cada nervo. Ele é transferido a taxas altíssimas da mãe para o bebê, o que ocasiona a perda do nutriente no corpo da mulher e pode causar problemas como estresse e depressão pós-parto.

Por outro lado, essa transferência é crucial para a saúde cerebral, ocular, imunidade e desenvolvimento do sistema nervoso do pequeno. 

Entre os principais benefícios da suplementação com DHA, estão: melhor processamento mental, aprendizado, memória, desenvolvimento psicomotor, coordenação mão-olhos, visão, crescimento e desenvolvimento do bebê de modo geral, além de contribuir para a saúde gestacional da mãe e no parto.

Outros nutrientes

Assim como o ômega-3 e o DHA, outros nutrientes também são importantes e merecem atenção para que não faltem no organismo. 

  • Vitamina K: importante para a coagulação sanguínea.
  • Vitamina H: necessária para a rápida divisão das células do feto.
  • Vitamina E: importante antioxidante, além de ajudar a defender as células.
  • Vitamina A: atua na formação do coração, pulmões, olhos, ouvidos, membros e desenvolvimento do sistema nervoso e imunidade do bebê. Para a mãe, contribui para o aumento da resistência a infecções, melhora da imunidade, ajuda a prevenir complicações pós-parto, como a diarréia, e reduz o risco de mortalidade.
  • Vitamina D: previne a pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, raquitismo, nascimento prematuro, autismo e outras desordens psiquiátricas.
  • Ácido Fólico: atua na formação do tubo neural do feto. Está relacionado à rápida proliferação celular, regulação da expressão genética, metabolismo de aminoácidos e síntese dos neurotransmissores. É um nutriente muito importante e indicado desde o período periconcepcional. Pode ainda ajudar na prevenção ou minimizar os sintomas da depressão pós-parto.
  • Complexo B: as vitaminas do complexo B possuem funções mutuamente complementares e necessitam umas das outras para realizar suas funções.
  • Cálcio: ajuda na formação dos ossos do bebê e previne a perda óssea da mãe.
  • Magnésio: contribui para o tratamento ou prevenção da pré-eclâmpsia, paralisia cerebral em ocorrência de parto prematuro, diabetes gestacional, entre outros.
  • Cromo: ajuda a evitar diabetes gestacional.
  • Ferro: auxilia no transporte do oxigênio para as células e na manutenção do sistema imunológico.
  • Iodo: atua na formação dos hormônios tireoidianos T3 e T4, importante no desenvolvimento dos órgãos.
  • Selênio: protege contra disfunções no sistema nervoso do feto, pré-eclâmpsia, nascimento prematuro, aborto espontâneo, colestase, diabetes gestacional e disfunção da tireoide.
  • Zinco: atua no sistema imune, além de regular o desenvolvimento cerebral.
  • Colina: colabora com o desenvolvimento cerebral, em especial na área que regula a memória e a atenção, antes e após o nascimento.
  • Molibdênio: ajuda no tratamento da anemia.

Vale ressaltar que suplemento para gestante é um assunto sério e deve ser utilizado somente mediante prescrição médica do profissional que acompanha o pré-natal.

Quando suplementar na gravidez?

Estamos falando de suplementação na gravidez, mas o ideal é começar ainda antes de engravidar, por meio de um bom planejamento pré-concepcional. Isso porque as primeiras semanas de gestação são muito importantes para fazer uma reserva e a programação metabólica do bebê.

Como geralmente as mulheres descobrem a gravidez somente após o atraso menstrual, as primeiras semanas de formação não são contempladas com nutrientes importantes para a formação do feto, como por exemplo, o ácido fólico.

Logo, se você está pensando em engravidar, converse com o seu médico e busque orientações sobre a importância da suplementação na gravidez e também para o período que antecede a concepção.

Todas as gestantes devem suplementar?

O corpo da gestante entrega para o feto tudo o que ele precisa para se desenvolver. Por isso, quando a mãe está sem carência de nutrientes e disposta, o bebê pode vir melhor preparado. Como vimos acima, contar com vitaminas, minerais e ômega-3 em dia contribuem para que a formação do bebê seja mais saudável.

Afinal, há mais uma vida (ou mais de uma, no caso de gêmeos) sendo gerada e precisando de nutrientes para ter uma boa formação e desenvolvimento. Sem contar as necessidades da mulher, que precisa estar saudável antes, durante e depois do parto.

De qualquer forma, a suplementação na gravidez depende de orientação médica ou nutricional, de acordo com as necessidades identificadas em cada gestante e não deve ser ingerida por conta própria.

Qual suplemento para gestante deve ser evitado?

Como o suplemento auxilia na complementação de nutrientes, não é todo e qualquer produto que deve ser consumido. Além da indicação de minerais, ômega-3 e vitaminas na gravidez, algumas mães que fazem uso de suplementos alimentares para outros objetivos precisam estar atentas.

É pertinente evitar categorias de suplementos que apresentam na composição alguns ingredientes como: pimenta, cúrcuma, açafrão ou gengibre. Essas substâncias podem provocar inibição da adesão plaquetária, o que pode aumentar o risco de sangramentos. Produtos contendo canela também devem ser evitados, assim como a cafeína, que precisa de cautela para ser consumida. 

Outra preocupação deve ser a qualidade dos suplementos ingeridos. Opte por produtos com matérias-primas de qualidade, ingredientes naturais, livres de aditivos e conservantes, assim como o excesso de açúcar ou outros fatores que possam interferir na biodisponibilidade dos nutrientes.

Todos esses nutrientes estão no Be Generous

Todos os nutrientes listados neste texto integram o projeto social Be Generous, que tem como objetivo doar suplementos para gestantes com maior carência nutricional cadastradas no projeto. 

Elas recebem o Polivitamínico do Futuro, suplemento pré-natal que contém as vitaminas A, complexo B, C, D, E, H e K, além de cálcio, cromo, magnésio, selênio, molibdênio, zinco, colina, ferro, iodo e ácido fólico.

O Polivitamínico do Futuro é distribuído em conjunto com um suplemento de ômega-3 com alto grau de pureza, chamado de Ômega-3 Genial. Ambos os suplementos atuam na construção física e cognitiva das crianças e ajudarão a fortalecer o sistema imunológico, aumentando a resistência a infecções e diminuindo o risco de doenças ao longo das suas vidas.

Deseja saber mais sobre suplementação na gravidez? Assista ao webinar “Be Generous: uma gravidez suplementada faz a diferença”, realizado pelo Dr. Rogério Rita, Médico Ortomolecular e Consultor Médico da Essentia Pharma.