Intolerância à lactose em bebê: causa, sintomas e tratamento

É muito comum que papais e mamães tenham dúvidas quando o assunto é intolerância à lactose em bebê. Afinal, os sintomas podem ser semelhantes a outras condições como a alergia à proteína do leite, por exemplo.

Neste artigo, você encontrará respostas para os principais questionamentos sobre o assunto, como  causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e como alimentar um bebê com intolerância à lactose. Continue a leitura e confira!

 

O que é lactose?

Antes de mais nada, é preciso entender que a lactose é um açúcar encontrado no leite e seus derivados (iogurte, queijo, doce de leite, entre outros). Também é possível encontrar lactose em alimentos como pães, biscoitos, bolos, cereais e uma infinidade de outros produtos que contém leite em sua composição.

Quando ingerida, a lactose precisa ser quebrada para ser absorvida de forma adequada pelo organismo. Quem desempenha esse papel é a enzima lactase, localizada no intestino delgado. No entanto, quando há a diminuição ou perda dessa enzima, a lactose não é quebrada e permanece no intestino, gerando os sintomas da intolerância.

 

Por que alguns bebês têm intolerância à lactose?

A intolerância à lactose em bebê é algo pouco comum. Isso, porque a maioria dos pequenos nasce com a enzima lactase no intestino, fundamental para a absorção adequada da lactose.

À medida que cresce, no entanto, a criança pode desenvolver intolerância à lactose, uma vez que a enzima lactase diminui no organismo. Esse processo é natural e pode ocorrer a partir dos 3 anos de idade, em adolescentes e em adultos.

Contudo, em alguns casos específicos, recém-nascidos podem apresentar intolerância à lactose, de forma temporária ou permanente.

  • Temporária: é o caso de bebês prematuros, mais propensos à chamada deficiência de lactase do desenvolvimento, condição que dura pouco tempo e não impede que muitos pequenos sejam alimentados com leite materno ou fórmulas com lactose;
  • Permanente: bebês que nascem com deficiência congênita de lactase, um distúrbio raro, causado pelos genes herdados dos pais. Nesse caso, a alimentação deve ser exclusivamente sem lactose. 

 

Qual a diferença entre intolerância à lactose e alergia à proteína do leite?

Enquanto a intolerância à lactose se caracteriza por ser um problema apenas digestivo, a alergia à proteína do leite envolve também o sistema imunológico. 

Como citado anteriormente, a intolerância é consequência da diminuição ou falta da enzima lactase no intestino, prejudicando a correta absorção da lactose (que é um açúcar, um carboidrato).

Por outro lado, a alergia ao leite está relacionada à proteína, que ultrapassa o intestino, chega à corrente sanguínea e ativa o sistema imune, causando diversas reações, como sintomas digestivos, alergias na pele e choque anafilático (em casos graves).

 

Quais são os sintomas da intolerância à lactose em bebê?

Os sintomas aparecem após a ingestão do leite e podem variar de acordo com a quantidade ingerida e/ou tolerada pelo bebê. Em alguns casos, pequenas quantidades podem ser bem toleradas (dose-dependente), o que não ocorre nos casos de alergia ao leite.

Entre os sintomas mais comuns estão:

  • náuseas e vômitos;
  • cólicas, dor abdominal e inchaço;
  • diarreia aquosa explosiva;
  • distensão abdominal;
  • gases;
  • assaduras.

Em qual idade aparecem os sintomas de intolerância à lactose?

Não há uma idade definida para apresentar intolerância à lactose. Em bebês é pouco comum, mas pode ocorrer de forma temporária em recém-nascidos prematuros ou de forma congênita (muito rara).

Já em idades mais avançadas, a intolerância pode ser resultado da diminuição ou ausência de lactase e de alterações na mucosa intestinal, causadas por doença celíaca, desnutrição, síndrome do intestino irritável, entre outras.

 

Como descobrir a intolerância à lactose em bebê?

A intolerância à lactose em bebê deve ser diagnosticada pelo pediatra. Ao observar os sintomas, os pais devem procurar o médico, que poderá realizar testes específicos para o diagnóstico. Alguns exemplos, são o teste de respiração de hidrogênio e a verificação da acidez ou presença de glicose nas fezes, que podem indicar má absorção de lactose.

Quando devo levar meu bebê ao médico?

Ao observar os sintomas, é importante procurar um pediatra. Não é recomendado restringir ou retirar o leite e seus derivados da alimentação dos pequenos sem antes consultar um médico ou nutricionista, pois podem ocorrer deficiências nutricionais.

 

Existe tratamento para a intolerância à lactose?

Boa parte dos casos de intolerância à lactose são temporários, como no caso de alguns bebês prematuros ou quem a desenvolveu após uma doença viral ou outra condição, como a doença celíaca.

Nesses casos, um nutricionista pode auxiliar, retirando a lactose por determinado período de tempo e inserindo na dieta outros alimentos fontes de cálcio e vitamina D, bem como suplementos vitamínicos, para que não haja deficiência de nutrientes e para evitar os sintomas da intolerância.

Em caso de ingestão de alimentos com lactose, o médico pode recomendar o uso de enzimas digestivas, nesse caso a lactase, para aliviar os sintomas.

 

Como alimentar o bebê com intolerância à lactose?

O primeiro passo é buscar orientação profissional para garantir que o seu pequeno continue a ingerir todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento.

Também é importante compreender qual é o grau de deficiência de lactase que o seu filho possui, se é possível ingerir pequenas quantidades com segurança e quais são os tipos de alimentos tolerados.

Amamentação

Vale destacar que mamães intolerantes à lactose podem e devem amamentar seus bebês. A amamentação não coloca os pequenos em risco e eles não irão desenvolver intolerância por esse motivo.

No caso da intolerância à lactose em bebê, é necessária uma avaliação individual para orientar quanto a melhor forma de alimentação (leite materno, fórmulas com ou sem lactose, alimentos e derivados com ou sem lactose).

Tipos de leite

Além do leite sem lactose e das fórmulas infantis, existem algumas bebidas que podem ser uma boa alternativa aos intolerantes à lactose. É o caso das bebidas feitas com coco, soja, aveia, arroz, amêndoa, entre outros. No entanto, é importante sempre conversar com o pediatra ou nutricionista do seu filho, antes de optar por uma delas ou fazer qualquer substituição.

Fontes de cálcio

Mesmo intolerante à lactose, seu pequeno pode comer:

  • leite e derivados sem lactose;
  • vegetais de folhas escuras, como espinafre, brócolis e couve;
  • feijão;
  • peixe;
  • suco de laranja fortificado com cálcio.

De modo geral, a intolerância à lactose em bebê não é uma condição vitalícia. Além de ser pouco comum, ela pode ser resolvida com o diagnóstico e o tratamento adequados. Por isso, ao observar os sintomas de uma possível intolerância, converse com o pediatra.

Gostou deste conteúdo? Que tal saber mais sobre a nutrição dos pequenos? Acesse o artigo “Guia da alimentação saudável infantil: do nascimento à primeira  infância” e confira dicas incríveis!